A primeira ameaça dos oceanos.

Apesar da sua dimensão, o equilíbrio dos oceanos encontra-se seriamente ameaçado pela sobre pesca e a pesca ilegal, conjugada com a destruição de habitats costeiros essenciais à manutenção dos stocks pesqueiros.

O aquecimento global e as alterações climáticas são outros dos malefícios para os mares, já que provocam a morte de grandes extensões de recifes de corais, que são maternidades e zonas de grande parte da biodiversidade marinha mundial.

Também o problema do plástico nos oceanos se tem agravado, originando micropartículas designadas por microplásticos, que são de remoção extremamente difícil e que acabarão por contaminar todos os ambientes marinhos.

Portugal é o país da Europa com maior superfície costeira marinha , pelo que, o futuro dos oceanos terá ainda um maior impacto, quer em termos ambientais, sociais, como económicos.

Em 2020, estima-se que haja mais plástico que peixe nos oceanos.

Em 2050, caso nada seja feito para diminuir as emissões de dióxido de carbono para a atmosfera, a acidificação dos oceanos provocada pelo aumento da concentração de dióxido de carbono pode intoxicar os peixes e impedir a formação das conchas em inúmeras espécies animais, afetando de forma imprevisível as cadeias alimentares.