Clube de Desporto Escolar – Recomendação n.º 47

27 de Maio de 2013

Rir é Mesmo o Melhor Remédio

Especialistas em ioga do riso defendem que uma gargalhada traz benefícios uma vez que estimula o sistema imunológico, digestivo ou cardiovascular, além de aliviar tensões.
As vantagens do exercício de rir “são inúmeras”, mesmo quando não há algo divertido que o justifique.
“O riso verdadeiro contagia, o riso falso não contagia, mas traz-nos os mesmos benefícios que o verdadeiro porque o corpo não distingue” um e outro e responde com o mesmo processo químico, revelou à agência Lusa a orientadora desta prática, Sabrina Tacconi.
Jorg Helsm, presidente da Escola do Riso, explicou à Lusa que “o que é mais complicado é ultrapassar a vergonha que muitas pessoas sentem. Mas quando conseguem ultrapassar esta barreira, fica bastante fácil rir com vontade e com lágrimas”, acrescentou.
Mesmo em situações de crise, como aquela que se vive atualmente em Portugal, quando conseguem ultrapassar a barreira do medo, da vergonha e das crenças, “as pessoas entram no riso e já nada pode pará-las”, salientou Jorg Helms.
Sabrina Tacconi, do Clube do Ioga do Riso, concorda e realça haver uma “boa adesão” ao método ioga do riso em todo o país, reconhecendo que “não é difícil pôr os portugueses a rir”, mas salientando que é necessário rir, pelo menos, 15 minutos seguidos por dia.
Aliás, como recordou Jorg Helms, o provérbio “rir é o melhor remédio” existe em quase todas as línguas, independentemente da cultura. De acordo com os defensores da risoterapia, a atividade física de rir estimula e melhora os diferentes sistemas do corpo, do nervoso ao imunológico, digestivo, reprodutivo, cardiovascular ou linfático, mas também tem consequências a nível emocional e psicológico. Melhora a auto-estima e a criatividade e “ficamos pessoas mais felizes”, acrescentam.
Rir “ajuda a oxigenar o corpo e a mente, segregamos químicos e substâncias positivas para o organismo como a serotonina, um antidepressivo natural, e as endorfinas, hormonas que provocam uma sensação de bem-estar”, especificou Sabrina Tacconi.
Sabrina Tacconi referiu mais de 700 “líderes de riso” formados em Portugal, entre “psicólogos, muitos terapeutas, muitos professores de vários níveis, formadores, [técnicos de] coaching ou de programação neurolinguística”, que utilizam a risoterapia nas suas atividades profissionais.
Jorg Helms apontou que a técnica é levada a lares de idosos, escolas, prisões e hospitais e, depois de uma presença de 10 anos em Portugal, pela primeira vez, a Escola do Riso vai realizar sessões regulares numa empresa e “pôr a rir os 240 funcionários de uma fábrica, 15 minutos por dia, durante três semanas”, uma experiência que em outros países resultou em “aumentos de produtividade em 40%”.