71st International Session of the European Youth Parliament (EYP) – Amsterdam 2012 (Novo)

3 de Dezembro de 2012

A aluna Rita Leitão fez parte da delegação que representou o nosso país na sessão europeia do Parlamento Europeu dos Jovens, que decorreu em Amesterdão (Holanda), de 2 a 11 de novembro de 2012.

Relato da Experiência:

Chegada da viagem que mudou a minha vida, cá estou para contar mais ou menos (mais para menos que para mais, já que foram 10 dias e 10 noites muito intensos) o que se passou por Amesterdão na 71ª Sessão Internacional do Parlamento Europeu dos Jovens.

Depois de fazer as malas com tudo o que nos foi requisitado lá foram os 9 portugueses em direção aos Países Baixos, prontos para conhecer novas gentes e novas culturas, divertirem-se e, acima de tudo, representar Portugal nos temas escolhidos por cada um.

Na verdade, nenhum de nós estava pronto para o que ia acontecer. Não foram só os dias com 48 horas que tomaram lugar. Foi o trabalho, o cansaço, as saudades de casa, de Portugal. Foram as brincadeiras com pessoas que, muito provavelmente, nunca mais vamos ver, as festas e jantares todas as noites, a all the girls standing in the line for the bathroom assim como o oppa gangnam style sempre presentes, o ouvir línguas tão diferentes, ideias novas, o ver caras e estilos tão diferentes do nosso e ainda assim sentirmo-nos em casa.

Desde o Teambuilding de dois dias (ou na verdade, de dez dias), ao Committe Work, à General Assembly. Desde o Eurovillage (onde, diga-se de passagem, Portugal brilhou como era de se esperar), ao Euroconcert, à noite holandesa, ao jantar de gala no Rijksmuseum, aos jantares de comité e de delegação, aos passeios pelas ruas de Amesterdão. Desde os discursos feitos por pessoas de nome, ao facto de estarmos incluídos nos PIGS (Portugal, Italy, Greece, Spain) da Europa, ao ensinar palavras portuguesas, ao (tentar) aprender palavras dos outros 35 idiomas. Tudo isto e muito mais serviu para fazer da Sessão Internacional uma das experiências que, pessoalmente, mais me fez crescer até hoje.

Sem desacreditar a importância de um bom ambiente que é necessário e que foi alcançado em todos os comités, trouxe desta viagem grandes amigos da minha delegação, pessoas que vivem tão perto e ao mesmo tempo tão longe mas com as quais pretendo manter contacto durante muito tempo.

Ali estamos por nós, sozinhos mas sempre acompanhados. O que nós fizermos é única e exclusivamente da nossa responsabilidade e para jovens de 17 anos, na sua maioria, é uma situação nova.

Mas afinal qual é o (principal) objetivo daquele trabalho todo? Não, não é (só) entreter cerca de 250 jovens durante 10 dias. Não, não é (só) deixá-los conhecer-se uns aos outros. É sim defender com unhas e dentes o projeto que ao longo dos dias desenvolvemos, para que no meio de tanta gente e tanta cultura, haja um consenso e seja aprovado na Assembleia Geral. Em 15 projetos, 13 foram aprovados. Será um resultado positivo, dada a diversidade de culturas que há dentro de uma só sala.

Todos nós podemos dizer que não esqueceremos esta sessão tão cedo, porque, sem saber explicar, foi de facto marcante e memorável. Obrigada ao PEJ por esta oportunidade, à professora Helena Correia pelos que me ensinou ao longo destes anos e pela ajuda que me deu a preparar o tema, à Câmara Municipal pelos apoios fornecidos e à professora Maria do Carmo Aires, sem a qual seria possível este projeto que é, para mim, das melhores coisas que a Europa tem!

 

Rita Gomes Faria Leitão